Burn, baby, burn…

Uncategorized

Final do Espeto de Ouro

Pois bem, o concurso Lebon Espeto de Ouro tem seu ganhador!

Clique aqui pra ver o resultado, e pra ver mais detalhes, vai lá nos Destemperados que eles fizeram uma cobertura especial do evento, que teve até a presençao do Bairrista.


A hora da verdade

Espeto de ouro

Você é o rei da costelinha? A churrasqueira é território defendido até o último coraçãozinho? Pois então chegou a hora de provar! Gente que entende do assunto, como a Lebon, O Bairrista, o pessoal do Destemperados e o Deco (proprietário da famosa churrascaria Komka) querem saber quem é o melhor assador do Rio Grande do Sul, merecedor do Troféu Espeto de Ouro.
É simples: manda uma foto tua fazendo churrasco e responde à pergunta: “Por que você é o melhor assador do Rio Grande do Sul?” Depois, pede para os amigos votarem em ti. Os três melhores colocados vão ter que mostrar toda sua habilidade no manejo das brasas e no preparo das carnes fazendo um churrasco para os jurados. O vencedor vai ganhar o troféu ESPETO DE OURO LeBon, um carrinho gourmet e um kit completo de churrasco com 25 peças, além de produtos LeBon. O segundo e o terceiro colocados ganharão, cada um, um kit de churrasco e produtos LeBon.
E não te perde nas datas: a eliminatória vai de 8 de julho a 8 de agosto de 2011. A divulgação dos finalistas vai ser no dia 15 de agosto de 2011 e a etapa final, quando os churrasqueiros terão de provar para os jurados que são merecedores, acontecerá dia 21 de agosto de 2011.
Se tu acha que é bom o suficiente, clica aqui http://bit.ly/plRJlM e te inscreve.
Além de todos os detalhes para a inscrição e o regulamento, neste site tem também um blog com dicas de churrasco, fotos dos concorrentes e muito mais.
Aconselho também seguir @gauchoassador no Twitter ou a página da do concurso no Facebook para interagir com os outros participantes, tirar dúvidas ou só conversar sobre churrasco.
Agora afia as facas, acende esse fogo e te atraca!


Mothra, socorro!

(Cena externa CANOAS DIA)
(Narração)
Tokyo Canoas, 2011
A poluição da REFAP causa mutações na fauna e na flora de Canoas, com efeitos imprevisíveis.
A população segue vivendo normalmente, sem saber do perigo que despertará.
As autoridades nada podem fazer, ante o tamanho de GODZILLA!
(Um enorme Xis se levanta do laguinho da ULBRA, esmagando os carros e instaurando o terror nas estudantes de nutrição, etc)

Tá, sem brincadeira agora.
Vi um dia desses um adesivo em um carro anunciando “Godzilla – O Maior Xis de Canoas: 30 – 35 – 40 cm”
Corri e anotei o telefone, pois uma afirmação dessas não podia ficar impune. Ontem, pensando em alguma coisa pra comer, lembrei disso e resolvi arriscar.
Funciona assim: tu só escolhe o tamanho (30, 35 ou 40cm), e todos eles são recheados com com bacon, frango, carne e calabresa, além de catupiry e batata palha. Obviamente que no recheio também têm ovo, tomate, alface, milho, ervilha e presunto, seguindo a Lei de Autenticidade do Xis Canoense.
Ah sim, teoricamente eles alimentam 4, 6 e 8 pessoas, e custam R$20, R$30 e R$40 respectivamente.

From May 19, 2011

Peraí? Não era um Xis?
Sim. É um Xis. (clica nas fotos que aumenta)

From May 19, 2011

E não é propaganda enganosa: ele tem mesmo 40cm de diâmetro.

From May 19, 2011

E o melhor de tudo: é tri bom!

From May 19, 2011

Confesso que compramos pelo tamanho bizarro, mas no fim o Godzilla se revelou um ótimo custo-benefício, pois um Xis individual com um recheio similar não sai menos de R$12, e comprando qualquer um dos tamanhos o custo por pessoa não passa de R$5.
Me desculpem, Gelson e Coqueiro, mas vocês não passam de canapés gordurosos.
O título de maior Xis volta para Canoas, de onde nunca deveria ter saído.

Xis Godzilla
3463-7062

(Não sei se funciona só no sistema de tele-entrega. Quando descobrir aviso aqui.)


Tragédia japonesa

Muito já se leu sobre os terremotos no Japão, o vazamento de radiação nas usinas nucleares de Fukushima, a destruição causada pelo tsunami e todo o sofrimento que isso causa na população. Apesar disso, há uma agressão contra os japoneses que vem se repetindo por anos e sofre de completo descaso por parte da grande imprensa, tendo apenas sido denunciada por mim com ajuda de alguns blogueiros: a pizza de sushi.

From May 18, 2011

A anterior era bizarra, mas ainda mantinha um pouco de decoro, pois o recheio do “sushi” era pepino e kani.
Mas agora a coisa foi além: o recheio era porco(!) e tamago (omelete doce). A pizza embaixo era de tomate com orégano, o que pra mim não faz muito sentido, mas eu sinceramente acho que quem inventou essa combinação não estava muito preocupado com harmonização de sabores.
Ou com a vingança de Gojira.
Pra quem acha que eu estou inventando isso, ou achou que essa aberração é uma boa idéia (não vou julgar, não se preocupem), é só ir até a Churrascaria Jardim do Lago, em Canoas.
Rua Liberdade, 39 – Marechal Rondon
Canoas – RS, 92020-240
(0xx)51 3059-1009

http://www.churrascariajdlago.com.br/

PS: É, o nome é “Churrascaria Jardim do Lago” mas no andar de cima funciona uma pizzaria.
PS2:Não, essa pizzaria não atende aos requisitos da Associazione Verace Pizza Napoletana.


Okinawa revisitado

Mais uma vez, fomos ao Okinawa.
E desta vez lembrei de levar a máquina fotográfica!
Pátio do Okinawa
Ambiente do Okinawa
Buffet

Ganhamos até uma cortesia!

Arranjo
Salmão
Carpas


Pêsames

Acabei de ler no jornal a nota de falecimento da Sra. Erzsebet Cvitko, esposa do Sr. Karoly Cvitko.
Para quem não sabe, é a família do Restaurante A Canga, que já citei aqui várias vezes.
Meus pêsames para esta família que já me deu tantas alegrias.


Foursquare de gordo

Vi este post no Coma Com Os Olhos sobre um aplicativo que parece bem interessente: Foodspotting.
Há o componente de rede social, mas são feitas avaliações individuais de pratos (com fotos!) ao invés das costumeiras avaliações de lugares, pois nas palavras dos criadores “É sobre pratos, não restaurantes”, ou seja, pode ser que aquele buteco horrível tenha uma ou duas coisas que façam valer a viagem. Facilitar a busca de coisas específicas ao invés de lugares é uma estratégia interessante, e colocar o componente visual e a possibilidade de marcar como “Want it!” ou dar uma avaliação positiva para a comida (ato nomeado muito acertadamente de “Nom it”) completam uma ideia que me agradou muito. Agora só resta esperar o aplicativo pra Android.
Pra quem tem iPhone, já está disponível.


Bolo de Pera

Inspirada neste post do ótimo La Cucinetta, Rebeca fez uma versão um pouco diferente.
Bolo de Pêra
Bolo de Pêra

Sim, ficou tão gostoso quanto parece.
Fico imaginando quentinho com uma bola de sorvete em cima…

EDIT: Reforma ortográfica, eu te odeio.


Creme de batata

Mais uma vez, inspirado pelo Prato Fundo, eu fui pra cozinha. Ele fez um prato com abóbora, mas eu só tinha batata.
Foi simples: dourei duas cebolas e uma cabeça de alho 100g de manteiga.
Cozinhei 4 batatas e 2 cenouras no microondas por 15 minutos na potência máxima e esmaguei tudo.
Juntei o purê às cebolas e adicionei 200g de nata.
Quando estava bem misturado, coloquei uns 200mL de leite pra afinar tudo e coloquei 4 talos de aipo picado.
Pra servir, ralei um pouco de parmesão e enfeitei com tempero verde.
Creme de batata
Foi um sucesso com as minhas cobaias habituais.


Simulacro de donburi

Dia desses fiquei com saudade dos donburis do Gendai.
Como eu tinha os ingredientes, resolvi fazer uma versão em casa, com frango e ovos de codorna.
Donburi
Claro que seria melhor ter uns vegetais empanados ou algo assim, mas eu não queria fazer muita bagunça e nem esperar muito para comer. Ficou bom.


Sorvete de mirtilo

Inspirada neste post do Prato Fundo, Rebeca fez uma tentativa com mirtilos.
Philadelphia-style Ice Cream
Ficou bem gostoso, mas devido à minha interferência, as frutas ficaram levemente carameladas.
Talvez por isso tenha ficado um pouco enjoativo, mas descobriremos na segunda tentativa.


Crenças abaladas no Koh Pee Pee

Dia 8 de Julho eu e Rebeca completamos 6 anos juntos e obviamente que fomos jantar fora pra comemorar.
O lugar escolhido foi o Koh Pee Pee, um lugar que dispensa apresentações e que nos traz boas lembranças.
Entrada

Eu adoro o ambiente de lá. A comida nem preciso citar, né?

Gosto também dessa coisa de poder ver a comida sendo feita.

Chef

Pratos

Comida!

Nós decidimos ignorar as entradas e partir logo para os pratos:

Gai Pad Med Mamuang
Frango com castanha de caju ao molho de ostras (acompanha arroz thai jasmin).
Gai Pad Med Mamuang

A descrição no cardápio me deixou curioso, pois uma mistura de molho de ostras e castanha de cajú parecia interessante, mas o prato é muito mais interessante e saboroso do que eu imaginava. O frango é levemente empanado e as castanhas são tostadas durante o cozimento e talvez pareça uma mistureba de ingredientes, mas o conjunto de texturas e sabores é muito bom. Infelizmente, pedimos também outro prato.

Pad Prik Moo
Filé de porco ao molho de pasta de pimenta, vagem fina, cebola e arroz thai jasmin.

Pad Prik Moo

E digo infelizmente pois este prato com porco simplesmente obliterou a performance do prato anterior. Não me entendam mal: ambos são ótimos, mas estas vagens, o sabor da pimenta e as lasquinhas de carne de porco me conquistaram. O repolho cru que acompanha dá um contraste refrescante e uma crocância que adiciona mais uma textura ao prato. Quase lambi o prato quando acabou.

Pra acabar a noite com chave de ouro, pedimos também uma sobremesa (só de gula mesmo).

Kanom Krok
Bolinhos de coco natural assados ao estilo thai com sorvete de creme

Kanom Krok

Aqui a porca torceu o rabo.
Rebeca queria pedir uma banana caramelada (pois não gosta de coco) mas acabou desistindo. Além disso, ela sempre colocou em primeiro lugar na categoria sobremesas uma pêra cozida com sorvete que ela costumava comer em um restaurante que infelizmente não existe mais. Pois bem: depois de experimentar estes bolinhos de coco assados, ela teve que admitir que a pêra não merecia mais o topo da lista, mesmo protegida pela nostalgia da infância.
A conta deu exatos R$100 e valeu cada centavo pela comida ótima, ambiente acolhedor e serviço impecável.

http://www.kohpeepee.com.br/

Reservas pelo fone: (051) 3333 51 50
Rua Schiller, 83 – Moinhos de Vento – Porto Alegre – RS – Brasil


Sementes

É, vou tentar produzir pimentas.
Sementes
Sim.
Bhut Jolokia.
Aquela mesmo, atual recordista com 1.000.000 SHU.
Desejem-me sorte.

EDIT: Ah sim, pra quem quiser sementes de pimenta (e MUITAS outras coisas também), eu comprei aqui ó:
http://www.tabutinssementes.com.br


Festival de Gastronomia Húngara

Coat of arms
É com grande prazer que anuncio que irá ocorrer mais um Festival de Gastronomia Húngara, no restaurante A Canga.
Vai ser no dia 16 de Abril (sexta-feira), às 20h.
Já estão disponíveis os cartões e o valor por pessoa é de R$ 40,00, mas se o depósito for feito antecipado, até 16 de Março sairá por R$35,00. O número de convites é limitado e certamente estarão esgotados rapidamente. O valor se refere à refeição. As bebidas serão cobradas no dia do evento.
O cardápio incluirá os seguintes pratos,
entre outros:

Paradicsomleves – Sopa de tomate com massa caseira
Foghagymaleves- Sopa de alho
Aprolékleves- Sopa de miúdos de frango com massa caseira

Székely Gulyás– Carne cortada em cubos ao molho de páprica com repolho levedado.
Töltött Paprika – Pimentão recheado com carne moída e arroz ao molho de tomate e páprica doce
Töltött Káposta – Repolho levedado recheado com carne moída e arroz ao molho de páprica

Rántott Csirke – Frango à milanesa
Dissznópecsenye- Lombinho suíno assado no forno
Fasirt- Bolinhos de carne fritos

Gombapaprikás – Cogumelos ao molho de páprica
Nokedli – Massa caseira tipo nhoque
Sültburgonya – Batatas fritas
Uborkasaláta – Salada de pepino com nata e páprica

Sobremesas
Diós Rétes – Doce recheado com nozes
Fagylalt – Sorvetes caseiros de diversos sabores

Necessária reserva antecipada, mediante compra de cartão ou depósito bancário.

Informações e Reservas: Fone: 51-3536.1461
RS122 – km 09 – B. Conceição – São Sebastião do Caí

E-mail: restauranteacanga@yahoo.com.br

Quem quiser ter uma idéia do que consiste o festival é só clicar aqui ou aqui.


Sorvete na testa

Acreditam que só HOJE fui colocar um link pro Feedburner?
Dã.


Non me corta a massa

Eu tenho muita saudade da Cantina D’Itália, um restaurante que frequentávamos muito quanto eu era criança. Neste época meu pai ainda trabalhava em uma empresa multinacional e seu chefe era italiano, e esta cantina era um de seus lugares favoritos em Porto Alegre. Não é pra menos: o lugar era escuro, com muitas lingüiças (piça pra reforma ortográfica), cebolas e assemelhados penduradas no teto, paredes decoradas com pipas de vinho, um dono baixinho circulando o tempo todo sem nunca largar a taça de vinho, poucas mesas e uma comida ótima. Foi lá também que vi uma cena que nunca vou esquecer: minha mãe pediu um fettuccine e começou a cortá-lo em pedaços, costume este que eu detestava. Na primeira cortada, o Sr. Salvatore, dono do restaurante, colocou a mão sobre a dela e, com uma expressão de quem estava sendo esfaqueado, disse em um lamento: “Non me corta a massa…”
Eu quase engasguei de tanto rir, e até minha mãe morrer a gente brincava com isso, tão cômica e emblemática foi a atitude dele. Fazendo parte deste ambiente, havia sempre uma mesa ocupada pelos mesmos 3 ou 4 homens, que apelidamos carinhosamente de “Mesa da Máfia”. Infelizmente, cerca de 15 anos atrás o Sr. Salvatore morreu, o restaurante fechou e ficamos sem o nosso restaurante favorito. Esse blábláblá nostálgico foi só pra explicar como eu sentia falta de algo assim. O Copacabana é um bom restaurante, mas não é a mesma coisa. Pois parece que o Diego, do Destemperados tem o mesmo problema que eu, e deu uma dica ótima: a Taverna Monte Polino.
Gostei do lugar logo de cara. Quem olha de fora não dá nada pelo lugar, e de noite o efeito aumenta, pois a rua é obscura e escura. Ao entrar, me senti em um lugar familiar, só que mais iluminado. (Foto tirada do Destemperados)
ambiente-monte-polino-2
Ao pegar o cardápio, percebi que ele é escrito em italiano, o que gerou protestos do Cristiano, mas eu achei um toque legal. O garçom nos disse que os pratos eram individuais, mas eram bem servidos, e que portanto eles recomendavam 2 pratos para 3 pessoas. Usando desta aritmética, pedimos 3 pratos (Filé a Parmegiana, Fettuccine à Matriciana e Lasagna Bolognese Quattro Formaggio) que demoraram um pouco. O couvert ajudou a esperar, mas teria valido à pena de qualquer maneira.

Fetuccini  Matriciana

Fetuccini Matriciana


Filé a Parmegiana

Filé a Parmegiana

Lasanha quatro queijos
Eu não sei que ogro come um prato destes sozinho, mas dou os parabéns. As cumbuquinhas são simpáticas mas enganadoras, pois dá um certo trabalho consumir tudo que vêm dentro delas.
Este molho Matriciana (que eu desconhecia) é um molho de tomate com pedacinhos de bacon que consegue ter um gosto marcante sem ser enjoativo. O Filé estava desmanchando de macio, como todo Parmegiana que se preze, e o molho estava um espetáculo à parte: espesso, mas sem parecer massa de tomate e com a dose certa de tempero. A lasagna pode parecer estranha, pois geralmente se vê por aí quatro queijos com presunto ou frango, mas o guisado casou bem com o molho.
No fim comemos tudo pois a comida estava ótima, mas daria facilmente pra alimentar 5 ou 6 pessoas. O bom é que apesar do excesso de comida e de refrigerantes (noite quente, muito quente) a conta deu R$110, o que considero um ótimo valor para 4 pessoas se empanturrarem de boa comida. Certamente voltarei lá pra experimentar outros pratos. Recomendo fortemente.

Agradeço ao Diego pela dica e pela foto descaradamente roubada.
Agradeço também a companhia do Cristiano e da Belisa.

http://www.tavernamontepollino.com/

Exibir mapa ampliado
Rua Barão do Gravataí, 531 (esquina com a Múcio Teixeira)
Menino Deus – Porto Alegre – RS
(51) 3224.2372

Nota: O Google Maps indica o endereço no lugar errado. Na verdade o restaurante é na esquina da Barão do Gravataí com a Múcio Teixeira.


De casa nova!

Olá meus cinco leitores!
A partir de hoje, o capsaicina vai passar a ser hospedado no WordPress.
Agora é capsaicina.wordpress.com

Nos vemos lá!


O gosto da infância

Antes de se chamar Bourbon, o supermercado principal de Canoas se chamava Zaffari, e antes de ser um supermercado, era uma oficina de caminhões ou algo parecido, mas nesta época eu não era nem nascido. Antigamente, o Bourbon tinha uma lancheria muito boa, na verdade “A” lancheria, onde comíamos com freqüência, e ao lado dela, tinha “O Restaurante”, onde comíamos quando meu pai estava particularmente inspirado. Pensando hoje, o restaurante tinha um decoração bizarra, com muitos lustres brilhosos e uma janelas enormes que davam para a BR-116, mas a comida era boa (pelo que me lembro). A lancheria era meio bizarra também. Era escuro lá dentro, o balcão era de mármore esverdeado, o balcão era em forma de “U” e eu sempre comia o “Super Bauru”. Quando comecei a namorar a Rebeca, descobri que ela, assim como eu, adorava sentar na voltinha do balcão, mas sempre pedia o “Hamburger Especial”. Nestas idas e vindas da vida, o restaurante fechou pra nunca mais abrir, um tempo depois a lancheira fechou também, o nome mudou para Bourbon e mudou tudo lá dentro.

Pois imaginem a minha surpresa quando descobri que no Zaffari Higienópolis tinha uma lancheria! Sinceramente senti que eu entrava em um portal, pois as cadeiras, mesas, vitrais e tudo mais eram EXATAMENTE como eu lembrava. E sim, tinha Super Bauru e Hamburguer Especial. E vinha no MESMO pacotinho de papel com o esquilinho. A música ambiente (coincidentemente ou não) era da mesma época que eu era criança e comia na lancheria do Zaffari de Canoas, o que só me fazia pensar mais ainda que eu havia passado por um portal. Só o que traía a sensação eram os preços e o fato de que se pode pagar a comida com o cartão do Bourbon, pois o gosto era igual, mesmo depois de 15 anos. Um dos poucos casos em que não se aplica a regra dos 15 anos.
Depois disso fiquei pensando o motivo de terem fechado a lancheria de Canoas, pois mesmo sendo uma segunda-feira, havia muita gente almoçando lá. Fiquei pensando também se eu era um ogrinho quando criança pra comer aquilo tudo ou se o bauru cresceu junto comigo. Pra completar a nostalgia, este ferro de passar estava pra vender no mesmo supermercado:

Quem nunca viu a mãe usando um destes que atire a primeira calça boca-de-sino.


Karoly Cvitko

Neste domingo levei um choque: faleceu Karoly Cvitko, dono do restaurante “A Canga“. Quem me conhece sabe a importância que este restaurante tem pra mim e pode imaginar o quanto fico chateado. O restaurante aparentemente vai continuar por bastante tempo, mas ele vai deixar saudade, pois o Sr. Karoly era uma ótima pessoa, e na época que ainda recepcionava os clientes (seu filho assumiu o restaurante a alguns anos) era sempre educado, divertido e sorridente. Quando minha mãe ia lá, sempre ficava conversando longamente com ele sobre história, pois ambos adoravam o assunto, e a ascedência eslava de ambos só aumentava a empatia mútua.
Na próxima vez que comer um pimentão (recheado ou não) lembre deste homem que trouxe um pedacinho da Hungria com ele e mudou pra sempre as nossas vidas.
Istenhozzád, úr Karoly!


Seguir

Obtenha todo post novo entregue na sua caixa de entrada.